quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Trechos favoritos de “Luciola”, José de Alencar.

Faz umas duas semanas - se não me engano - que terminei de ler essa obra clássica do período romântico. Muitos dizem que é uma das piores leituras obrigatórias do concurso vestibular da nossa universidade federal. Aqui estão meus trechos favoritos, penso que explicam minha admiração por José de Alencar (aquele José por trás do moralismo e das adjetivações - normais para a época).

“Mas a senhora lê e eu vivia; no livro da vida não se volta, quando se quer, a página já lida, para melhor entende-la; nem pode-se fazer a pausa necessária à reflexão. Os acontecimentos nos tomam e arrebatam às vezes tão rapidamente que nem deixam volver um olhar ao caminho percorrido”

“Sempre tive horror às reticências; nesta ocasião antes queria desistir do meu propósito, do que desdobrar aos seus esse véu de pontinhos, manto espesso, que para os severos moralistas da época aplaca todos os escrúpulos, e que em minha opinião tem o mesmo efeito da máscara, o de aguçar a curiosidade”

“Involuntariamente pois, sem queixas nem recriminações, apenas com uma doce saudade dos tempos que fugiam rápidos, ambos cedíamos a uma lei natural, e víamos afrouxarem os laços que nos uniam. Lucia, sempre meiga e terna para mim, não podia já esconder a frieza com que recebia o gozo que outrora era a primavera a provocar. Quando as minhas instâncias redobravam, ela, que a princípio se expandia entre o rubor, sorria constrangida como uma escrava submissa ao aceno do senhor.
Eu assistia em silêncio a essa transformação. Algumas vezes tentava ainda soprar naquelas cinzas para ver se ateava uma chama do intenso fogo que lavrara ali; mas esmorecia, porque já o frio me Iná invadindo [...]. Contudo, ou por um doce hábito, ou por uma misteriosa influência do passado, preferia a frieza dessa mulher aos transportes de qualquer beleza; guardava-lhe sem sacrifício, como sem intenção, uma fidelidade exemplar.”

“Pouco lhe importando saber donde vinha e para onde ia esse companheiro de viagem, unira-se a ele para amenizar, durante o tempo que seguissem o mesmo rumo, os incidentes do caminho e a solidão do pouso.’

2 comentários:

  1. Que bom que sabes separar o joio do trigo!
    Além do estilo "alencariano", A personagem Lucíola é uma das mais cativantes da Literatura Brasileira!
    Abraço poético,
    Ana dos Santos

    ResponderExcluir
  2. Oie^^ Tu é gaúcho né^^ Também sou! E também li Luciola sendo que amei! Amo romances como a maioria das gurias não é! Bem, estava fazendo uma pesquisa sobre o livro e achei teu blog! Se quiser e puder olha um dos meus, http://murysdiary.blogspot.com/
    Beijos^^

    ResponderExcluir